Fome e especulação

Quase não é noticiado que os preços dos alimentos estão subindo descontroladamente pelo mundo inteiro. Porém, a que se deve?

Carmelo Ruiz Marrero – Jornalista e educador ambiental.

Diretor do Projeto de Biosegurança de Porto Rico


São dadas várias explicações, incluindo os desastres meteorológicos -inundações e secas- relacionados à mudança climática, ao boom dos biocombustíveis, à subida do preço do petróleo e ao aumento da demanda de carne e de grãos das crescentes classes médias da China e da Índia. Porém, há outro fato muito mais importante, que é ignorado na maioria das análises: a especulação por parte de investidores, que veem nos alimentos um novo horizonte de lucro.
Segundo a autora e analista catalã Esther Vivas (ver aqui, em espanhol), em meados de 2010, ” especulação alimentar golpeava de novo e o preço dos alimentos voltava a subir”, pelo que “os especuladores sentiram-se incentivados a pedir novos empréstimos e a comprar mercadorias que, de maneira previsível, subiriam rapidamente de valor. Os próprios bancos, fundos de alto risco etc. que causaram a crise das hipotecas subprime são, atualmente, os responsáveis pela especulação com as matérias primas e o aumento do preço da comida, aproveitando-se de uns mercados globais de mercadorias profundamente desregularizados”.
“O desmedido fluxo de capitais especulativos distorce os mercados de tal forma que já não servem para a composição de preços dos alimentos”, sustenta a campanha Direito à Alimentação (ver aqui, em espanhol). “Os mercados de futuro não refletem a situação real de oferta e procura nos mercados agrícolas e seus preços não convergem com os do mercado varejista, nem proporcionam uma cobertura efetiva contra as flutuações. A falta de convergência nos preços e a alta volatilidade têm feito com que os mercados de futuro sobre matérias primas agrícolas sejam pouco fiáveis quanto à estimativa dos preços e de pouca utilidade na gestão de risco para produtores e consumidores”.
E, o que é um especulador? É quem nem produz e nem usa a mercadoria; porém, arrisca capital, comprando e vendendo contratos a futuro da mercadoria em questão, com o objetivo de lucrar a partir da variação em seu preço. O contrato a futuro é basicamente uma aposta a que o preço de uma mercadoria determinada subirá ou baixará.

O especulador não trabalha na economia do mundo real, na qual se vendem bens e serviços para o benefício da sociedade; mas trabalha no que se conhece como economia financeira. “A economia financeira é a que cria dinheiro através da especulação com o dinheiro, sem mediar a produção de algo que, em seguida, se vende; isto é, sem que exista quase nenhum intercâmbio de matéria, trabalho e energia”, informa um documento educativo de Direito à Alimentação. “na economia financeira, por exemplo, se compram ações para tentar vendê-las mais tarde, obtendo com isso um benefício sem ter contribuído para a sociedade”.
Sempre houve especulação; porém, como resultado da desregulação de anos recentes, esta aumentou a uma velocidade alarmante. Entre 2003 e 2008, o investimento em índices vinculados ao negócio das matérias primas se multiplicou por vinte, subindo de 13 bilhões para 260 bilhões de dólares. Quando há tanta especulação, os postulados da economia liberal clássica de oferta e procura já não têm aplicabilidade.
Diz o relator das Nações Unidas sobre o direito à alimentação, Olivier de Schutter, “quando chegam as informações sobre os incêndios na Rússia ou o excesso de chuvas no Canadá, alguns operadores preferem não vender imediatamente, enquanto que os compradores buscam comprar o mais rápido possível”. O Instituto para a Política Agrícola e de Comércio dos Estados Unidos (ver aqui, em espanhol) atribui à especulação até 31% da subida do preço do milho, em julho de 2008. E se não é pela especulação, de que outro modo se pode explicar que o preço do arroz a futuro subiu 31% em uma poucas horas em 31 de março de 2008? Como explicar que o trigo subiu 46% entre 10 de janeiro e 26 de fevereiro de 2008, aumento que caiu quase na totalidade em maio e, subiu para 21% no início de junho, para em agosto baixar outra vez?
Torna-se cada vez mais claro que para entender a crise alimentar temos que regular os mercados financeiros e dar um ‘basta’ nos especuladores. Porém, para os neoliberais, tal proposta é impensável. Citamos o economista Joseph Stiglitz, ganhador do Prêmio Nobel de Economia: “O fundamentalismo de mercado neoliberal sempre tem sido uma doutrina política que serve a determinados interesses. Nunca esteve respaldado pela teoria econômica. E, como deveria ter ficado claro, tampouco está respaldado pela experiência histórica. Aprender essa lição talvez seja um raio de luz em meio às nuvens que agora empanam a economia mundial”.

(tradução da ADITAL)

Obrigada por comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Tipo assim... folhetim

andré costa nunes - PERMITIDA REPRODUÇÃO, DESDE QUE INFORMADA A FONTE

Críticas de filmes

Por Waldemar Dalenogare Neto

panoramalivre

Panaroma nacional e mundial sem engenharia social

Alberto Buitre Blog

Political & culture junkie

Luíz Müller Blog

Espaço de divulgação de textos e ações que defendem trabalho decente no Rio Grande e no Brasil

Haddad Tranquilão

Pensamentos e comentários do cotidiano de um político tranquilo.

folhas|políticas

"A primeira condição para transformar a realidade é conhecê-la". Eduardo Galeano

Arte e Luz

Blog voltado a assuntos relacionados à fotografia.

Loco por ti (reboot)

Política, tecnologias, cultura

BLOG DO MACK

Jornalismo com seriedade

Vã Filosofia

Algumas coisas entre o céu e a terra.

Blog do Renato

Um espaço de debates sobre o Brasil

andradetalis

Jornalismo se faz com coragem e sonho

%d blogueiros gostam disto: