Você se importa?

Dutch Children Protest the Killing of their Palestinian Peers’ Dutch children have taken part of a short movie to protest against the continuing Israeli bombings of Palestinian civilians; children in particular. In a short video by filmmaker Abdelkarim El-Fassi, eight Dutch children tell the story of eight Palestinian children killed by Israel. War, bombs, terror. The video tells exactly where the children were at the time of their death. Some were on Facebook, while others were greeted with violence that no innocent person should be exposed to, while sleeping or while watching a World Cup match. From the year 2000, every three days, a Palestinian child has been killed at the hands of Israeli forces, a appalling and confrontational number. In recent days, during the ground offensive on the ‘open air prison’ GAZA, this average only increased. “I am no longer here, do you care?” is an awareness campaign to bring injustice taking place in Palestine closer to home This is necessary because the disproportionate actions of Israel, which violates many international and human rights, have not been condemned. Is the life of a Palestinian child worth less? The recent Israeli attacks on Gaza have slaughtered more than 160 innocent children, and counting. Such an inhumane policy should cease as soon as possible. Therefore El Fassi start this campaign that brings the innocence of hundreds of now deceased Palestinian children forward. El Fassi had previously made a video denouncing the injustice in Palestine in 2012; the video on Mahmoud Sarsak went viral. Mahmoud Sarsak is a Palestinian footballer who went on hunger strike for more than 200 days because he was arbitrarily arrested and locked up in an Israeli jail without trial. Because of international pressure, he was finally released. Are we going to get that done now? #doyoucare?

___

https://www.facebook.com/pages/I-am-no-longer-here-do-you-care/781313671908682?fref=ts


Guerras Sujas Assassinas

guerrassujas4

Recomendo fortemente que assista Dirty Wars

http://youtu.be/KMDyiaEY-uQ

guerrassujas3guerrassujas12


Elite brasileira usa a Copa do Mundo para mostrar seu desconforto em ser brasileira

Postado originalmente em A Brazilian Operating in This Area:

ellusmatsukawa(First of all, thanks for reading and commenting on my previous post. It is already the most popular of this blog’s short history. I was requested to translate it into Portuguese and at first I refused it. Not only I am working loads, but I wanted to avoid the bigotry that usually comes along with enthusiasts of the two main political parties here. And I wanted to avoid denial by that big chunk of the elite which is disengaged with Brazil. But I was convinced to use some of my time in this because someone else could translate and include words I didn’t write. I want Brazilians who don’t speak English to have an original source. This blog is meant to be a bridge between Brazil and foreigners, almost all posts are and will be in English, but I can make exceptions when I want.)

“Abaixo este Brasil atrasado.” É…

Ver original 1.698 mais palavras


Qual é a sua fonte de informação?

Trecho do texto de Jorge Furtado, que realizou recentemente “Mercado da Notícia”, com vasta produção audiovisual, entre elas o Ilha das Flores.

Ele faz uma reflexão importante sobre a falta de informação da maioria das pessoas, incluindo artistas que dão declarações a torto e a direito.

Ainda há Jornalistas no Brasil,

por Jorge Furtado, em 15 de maio de 2014.

 

Fico triste ao ver artistas brasileiros, meus colegas, tão mal informados.

Imagino que, com suas agendas cheias, não tenham muito tempo para procurar diferentes fontes para a mesma informação, tempo para ouvir e ler outras versões dos acontecimentos, isso antes de falar sobre eles em entrevistas, amplificando equívocos com leituras rasas e impressionistas das manchetes de telejornais e revistas ou, pior, reproduzindo comentários de colunistas que escrevem suas manchetes em caixa alta, seguidas de ponto de exclamação.

jorgefurtadoFico triste ao ler artistas dizendo que não dá mais para viver no Brasil, como se as coisas estivessem piorando, e muito, para a maioria. Dizer que não dá mais para viver no Brasil logo agora, agora que milhões de pessoas conquistaram alguns direitos mínimos, emprego, casa própria, luz elétrica, acesso às universidades e até, muitas vezes, a um prato de comida, não fica bem na boca de um artista, menos ainda de um artista popular, artista que este mesmo povo ama e admira. Em que as coisas estão piorando? E piorando para quem? Quem disse? Qual a fonte da sua informação?

Fico triste ao ouvir artistas que parecem sentir orgulho em dizer que odeiam política, que julgam as mudanças que aconteceram no Brasil nos últimos 12 anos insignificantes, ou ainda, ruins, acham que o país mudou sim, mas foi para pior. Artistas dizendo que pioramos tanto que não há mais jeito da coisa “voltar ao ‘normal ‘”, como se normal talvez fosse ter os pobres desempregados ou abrindo portas pelo salário mínimo de 60 dólares, pobres longe dos aeroportos, das lojas de automóvel e das universidades, se ”normal” fosse a casa grande e a senzala, ou a ditadura militar. Quando o Brasil foi normal? Quando o Brasil foi melhor? E melhor para quem?

A mim, não enrolam. Desde que eu nasci (1959) o Brasil não foi melhor do que é que hoje. Há quem fale muito bem dos anos 50, antes da inflação explodir com a construção de Brasília, antes que o golpe civil-militar, adiado em 1954 pelo revólver de Getúlio, se desse em 1964 e nos mergulhasse na mais longa ditadura militar das américas. Pode ser, mas nos anos 50 a população era muito menor, muito mais rural e a pobreza era extrema em muitos lugares. Vivia-se bem na zona sul carioca e nos jardins paulistas, gaúchos e mineiros. No sertão, nas favelas, nos cortiços, vivia-se muito mal.

A desigualdade social brasileira continua um escândalo, a violência é um terror diário, 50 mil mortos a tiros por ano, somos campeões mundiais de assassinatos, sendo a maioria de meninos negros das periferias, nossos hospitais e escolas públicos são para lá de carentes, o Brasil nos dá motivos diários de vergonha e tristeza, quem não sabe? Mas, estamos piorando? Tem certeza? Quem lhe disse? Qual sua fonte? E piorando para quem?

blog Casa de Cinema


As manifestações anti-Copa no Brasil e o estado de exceção midiático.

... si el gran reto de cualquier época histórica, para superar el estado de excepción impuesto por el Todo soberano, se inscribe en la invención de otros mundos posibles e imposibles, fuera del Todo soberano, solo superaremos el estado de excepción actual si fuera, de la pauta de las corporaciones mediáticas.

Pessoa, Lacan y el estado de excepción mediático o las manifestaciones anti-Copa en Brasil

por Luís Eustáquio Soares

Imagem

Traducido para Rebelión por Luis Carlos Muñoz Sarmiento

 

1       “Somos todos quienes nos asumimos”, anuncia, en verso, Álvaro de Campos, heterónimo del poeta portugués Fernando Pessoa, en el poema Pecado original, que comienza así: “Ah, ¿quién escribirá la historia de lo que podría haber sido?/ ¿Será esa, si alguien la escribiera/ la verdadera historia de la Humanidad?” Si, parafraseando un verso del poema, somos quienes dejamos de ser, es preciso hacer antes dos preguntas sencillas: ¿por qué estamos condenados a fallar? ¿Qué es fallar?

 

2       A la primera pregunta, sería posible responder literalmente: sí estamos condenados a fallar y lo estamos porque no podemos dilatar nuestras potencias expresivas en sociedades oligárquicas, limitadas por el poder de los soberanos. Estos, en diálogo con Schmitt, de Teología política (1922), pueden ser definidos así: “El soberano y aquél que decide el estado de excepción” (Schmitt, 2009: 15), lo que significa decir que estamos condenados a fallar porque vivimos bajo el signo de sociedades marcadas intrínsecamente por el estado de excepción sobre el conjunto de la Humanidad, incluso sobre los oligarcas o igual sobre el soberano en persona, sea cual sea el rostro que asuma en una época u otra.

 

3       Aunque todos estamos en el interior de los estados de excepción, independientemente de si somos ricos o pobres, blancos o negros, hombres o mujeres, heterosexuales o gays, occidentales u orientales, es necesario dejar claro: el estado de excepción siempre pesa antes de todo en las espaldas de las alteridades de clase, de modo general, en los pobres; de género, las mujeres y las sexualidades no heterosexuales; étnicas, los negros, los marrones, los asiáticos, los latinos; las epistemológicas, las que no siguen el patrón de pensamiento ni el régimen de valores de Occidente y muchas otras más.

 

4       Son, pues, las alteridades las que estamos condenadas a fallar, siendo quienes nos asumamos, nunca lo que somos o podremos ser, hasta la línea del horizonte. No es necesario ejercicio alguno de imaginación para saber el motivo por el cual el estado de excepción, siendo para todos, lo es antes de todo para las alteridades, pues son estas las que sustentan las oligarquías, en la relación inversa de sus diferencias inferiorizadas, razón suficiente para afirmar que el estado de excepción pesa sobre las mujeres, para que puedan garantizar el valor agregado de su sexo para los hombres, así como pesa sobre los negros, los indios, los asiáticos, los marrones, para que éstos y otros tantos se metan en un pozo sin fondo de un valor agregado étnico para los blancos; valiendo igualmente así para los pobres que lo son porque son literalmente robados por los ricos.

  Continue lendo


Gabo por Saramago

Gabo por José #Saramago:

Os escritores dividem-se (imaginando que aceitem ser assim divididos…) em dois grupos: o mais reduzido, daqueles que foram capazes de rasgar à literatura novos caminhos, o mais numeroso, o dos que vão atrás e se servem desses caminhos para a sua própria viagem. É assim desde o princípio do planeta e a (legítima?) vaidade dos autores nada pode contra as claridades da evidência. Gabriel García Márquez usou o seu engenho para abrir e consolidar a estrada do depois mal chamado “realismo mágico” por onde logo avançaram multidões de seguidores e, como sempre acontece, os detractores de turno. O primeiro livro seu que me veio às mãos foi Cem Anos de Solidão e o choque que me causou foi tal que tive de parar de ler ao fim de cinquenta páginas. Necessitava pôr alguma ordem na cabeça, alguma disciplina no coração, e, sobretudo, aprender a manejar a bússola com que tinha a esperança de orientar-me nas veredas do mundo novo que se apresentava aos meus olhos. Na minha vida de leitor foram pouquíssimas as ocasiões em que uma experiência como esta se produziu. Se a palavra traumatismo pudesse ter um significado positivo, de bom grado a aplicaria ao caso. Mas, já que foi escrita, aí a deixo ficar. Espero que se entenda.

Fotografia de Daniel Mordzinski

GABRIEL GARCIA MARQUEZ

Daniel Mordzinski


http://www.josesaramago.org/
 

Usando o Controle Remoto

O Documentário Lua Nova do Penar,

realizado por Leila JInkings e Sidnei Pires, está na grade da

TV Cidade Livre DF.  Aproveitem.

O programa tem uma entrevista e o filme na íntegra.

TV Cidade Livre DF – Programação de 10 a 16 de fevereiro

Dia 10 – Segunda-feira

7h – Café na Política Com Jornalista Leite Filho (fixo)

7h30 – Momento Concurso (fixo)

08h – Programa Amigos da História – Contadores de História (fixo)

8h30 – Sons da Cidade Clip Com Marcelo Zamith + Programa Idéias em Debate

9h – TV Rede Mundial (fixo)  

(…)

16h – Sons da Cidade Clip Com Emilia Monteiro + Documentário Lua Nova

Ariano Suassuna fala de Hiram no documentário Lua Nova do Penar

Ariano Suassuna fala de Hiram no documentário Lua Nova do Penar

do penar de Leila Jinkings.

17h – Sons da Cidade Clip Com Baia + 60 anos de trio elétrico

18h15 – Clip Cubano I + Mostra de cinema de Florianópolis

(…)

20h – União Planetária e Sociedade Teosófica (fixo)

21h – Sons da Cidade Clip Com Emilia Monteiro + Contracorrente com o Embaixador do Equador Horacio Sevilla Borja: Sete anos da Revolução Cidadã no Equador

(…)

Dia 11 – Terça-feira

(…)

17h – Programa Letras e Livros Com Batista Programa Letras e Livros Com o Jornalista e escritor Uruguaio Raul Ernesto Larrosa. Entrevistado por Pedro Batista (fixo)

(…)

23h30 –Sons da Cidade Clip Com Baia + Contracorrente com o Embaixador do Equador Horacio Sevilla Borja:Sete anos da Revolução Cidadã no Equador

Dia 12 – Quarta-feira

7h – Clip Cubano I + Desenho Mafalda vol. 1

7h36 – Clip Cubano II + Vértice de Matheus Araújo

(…)

14h15 – Sons da Cidade: Clip Detrito Federal + A Revolução não será transmitida

(…)

17h – Sons da Cidade Clip Com Detrito Federal + 40 anos de Beirute com o grupo som Catado e Moveis Colônias de acaju

18h – Programa Letras e Livros Com o Jornalista e escritor Uruguaio Raul Ernesto Larrosa. Entrevistado por Pedro Batista (fixo)

(…)

23h30 – Mídia Cidadã Com: Roberto Liviano – Presidente do ministério público democrático. O programa Mídia Cidadã é produzido pela Associação dos Canais Comunitários do Estado de São Paulo (ACESP).

 Dia 13 – Quinta-feira

7h – Sons da Cidade Clip Com Martinália + Programa Letras e Livros Com Fernanda Quevedo, Integrante da casa Fora de Eixo de Brasília, En

trevistada por Pedro Batista.

8h – Sons da Cidade Clip Com Emilia Monteiro + Documentário Lua Nova do Penar de Leila Jinkings.

(…)

14h – Clip Cubano II + Documentário Catastroika: A Crise Econômica na Grécia de Katerine Kitidi e Aris Chatzistefanou

(…)

19h30 – Roteiro Espiritualista – Iluminar (fixo) 

20h – TV Supren (União planetária e Sociedade teosófica (fixo)

(…)

Dia 14 – Sexta-feira 

7h – Programa Letras e Livros Com Programa Letras e Livros Com Fernanda Quevedo, Integrante da casa Fora de Eixo de Brasília, Entrevistada por Pedro Batista.

(…)

21h – VT Hora de Cuidar + Sons da Cidade Clip Com Emilia Monteiro + A Bahia de Euclides da Cunha: Um documentário de Carlos Pronzato, este documentário segue os passos de Euclides na Bahia,quando aqui esteve em 1897 durante a Guerra de Canudos,imortalizada no seu livro Os Sertões.

22h – Telejornal (fixo)  

23h – Sons da Cidade Clip Com Martinália + Contracorrente com o Embaixador do Equador Horacio Sevilla Borja: 7 anos da Revolução Cidadã no Equador

0h – Sons da Cidade Clip Com Marcelo Zamith + Documentário ás águas do Urucuia

1h25 – Sons da Cidade: Clip Com Baia + Doc. Brasil visto por dentro

2h27 – Sons da Cidade: Clip Com Detrito Federal + Filme Documentário Macuro

4h – TV Telesur (fixo)

Dia 15 – Sábado 

7h – Direito de Antena – O Professor de Filosofia do Direito, Francisco de Assis Cortez Gomes, expressa suas opiniões sobre “A Igreja Católica e o Papa Francisco

7h15 – Sons da Cidade Clip Com Martinália + Documentário Lua Nova do Penar de Leila Jinkings

8h –Conexão Cidadã Com Antônio Leitão (fixo)  

8h30 – Café na Política Com o Jornalista Leite Filho (fixo)

19h – VT Hora de Cuidar + Sons da Cidade Clip Com Marcelo Zamith + Programa Letras e Livros Com Fernanda Quevedo, Integrante da casa Fora de Eixo de Brasília, Entrevistada por Pedro Batista.

19h30 – Momento Concurso – Vesticon (fixo)

20h – O Libertário (fixo)

20h30 – Momento Espírita – Iluminar (fixo)

21h – Sons da Cidade: Clip Tangoneando + + Documentário Lua Nova do Penar de Leila Jinkings.

21h45 – Sons da Cidade: Clip Martinália + A Revolução de Angicos

22h – Telejornal (fixo)

22h30 – Programa Letras e Livros Com Fernanda Quevedo, Integrante da casa Fora de Eixo de Brasília, Entrevistada por Pedro Batista. (fixo)

23h – ESPAÇO SINDICAL – Em visita à Tv Comunitária de Brasília, o administrador do Cruzeiro, Antônio Sabino, fala sobre os desafios em conduzir uma das cidades satélites mais tradicionais do Distrito Federal, releva o seu “amor” por Taguatinga, satélite onde foi administrador e que mora, e relata os feitos do governo petis

ta na busca por uma cidade ainda melhor para a população

0h – Programa sons da cidade Orquestra Infantil e de cordas da UnB: As orquestras serão regidas por Ricardo Dourado Freire, mestre e doutor em clarineta. Professor associado da UnB nas áreas de clarineta e teoria musical, o regente exerce também a função de presidente da Associação Brasileira de Clarinetistas. Freire é o criador e coordenador geral do MPC. A Câmara Legislativa as orquestras infantil e de cordas do projeto de extensão “Música para Crianças”, da Universidade de Brasília (UnB). A apresentação faz parte do projeto “Música na Câmara”

0h30 – Sons da Cidade: Clip Martinália + Documentário Lua Nova do Penar de Leila Jinkings.

1h30 – Sons da Cidade: Clip Detrito Federal + Documentário Catastroika: Um Documentário de Katerine Kitidi e Aris Chatzistefanou Sobre a Crise Econômica na Grécia

 Dia 16 – Domingo

14h – Sons da Cidade Clip Cubano II + O Panelaço: Em janeiro de 2001 o povo argentino saiu às ruas para protestar pela situação de corrupção e miséria reinante no país e acabou derrubando o presidente Fernando de La Rúa e o seu ministro de Economia, Domingo Cavallo.

0


ARTIGO: Desculpe-me, mas você é um inocente útil

Diferente do “Batman”, Joaquim Barbosa, que mora em apartamento funcional e comprou de forma imoral uma residência de um milhão de reais em Miami (http://migre.me/gFTLQ), Genoíno mora na mesma casa e na mesma rua, nunca morou em condomínio fechado ou algo que o valha, nem deu sinais de riqueza.

viaARTIGO: Desculpe-me, mas você é um inocente útil.

viaARTIGO: Desculpe-me, mas você é um inocente útil.


Lua Nova do Penar – trailer

Lua Nova do Penar (Grieving New Moon) – trailer
versão com audiodescrição

Documentário de Leila Jinkings e Sidnei Pires

Hiram Pereira, jornalista, ator e poeta, desaparecido na ditadura no Brasil. As filhas se encontram para falar sobre o pai através da música, elemento unificador no cotidiano da família.
participação em festivais: “Melhor documentário” no IIDFF (Grécia), seleção oficial no MWIFF (Índia) e no DSIFF (Índia) , todos em outubro de 2013.
Recife – 2013 – color 27′
Audiodescrição feita pela Central Dubrasil; voz Hermes Barolli

Grieving New Moon, color, 27′
Hiram Pereira, journalist, actor and poet, who disappeared during the dictatorship in Brazil. The daughters meet to talk about his father through music, unifying element of the family routine.
participation in festivals: “Best Documentary” at IIDFF (Greece), official selection MWIFF (India) and DSIFF (India), all in October 2013.

Luna Nueva del Dolor, color, 27′
Hiram Pereira, periodista, actor y poeta, que desapareció durante la dictadura en Brasil. Las hijas se reúnen para hablar de su padre a través de la música, elemento unificador de la rutina familiar.
participación en festivales: “Mejor Documental” en IIDFF (Grecia), la selección oficial en MWIFF (India) y DSIFF (India), todos ellos en octubre de 2013.


O samurai e o guerrilheiro

O editorial desta semana de Mino Carta merece ser lido na íntegra. Muito comovente o trecho que transcrevo:

Luiz_Gushiken_crop Ocorre-me um amigo que eu chamava de samurai, Luiz Gushiken, ministro de Lula no primeiro mandato, primeira vítima do “mensalão” sem qualquer culpa em cartório, de fato aquele que percebeu o papel devastadoramente daninho do banqueiro Daniel Dantas, visceralmente envolvido no processo e tão chegado a petistas de outro naipe, como Márcio Thomaz Bastos, José Dirceu, Luiz Eduardo Greenhalgh, sem contar o atual ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Gushiken morreu dia 13 passado, honrado e, receio, infeliz.

Jose Genoino/AEOutro injustiçado é José Genoino, que, segundo Veja, gargalha com o voto de Celso de Mello. A malta não sabe que Genoino é um herói brasileiro, esperançoso e iludido até as últimas consequências, acreditou que o Araguaia seria a Sierra Maestra brasileira, e, ao lado de 80 companheiros, lutou contra 10 mil soldados da ditadura. Torturado brutalmente, ressurgido das cinzas, ainda espera que o Brasil deixe de ser o país da casa-grande e da senzala. Ao contrário do que afirmam seus inquisidores a pretendê-lo “mensaleiro”, não sabe onde cair morto, se me permitem a linguagem rasteira.

fonte: http://www.cartacapital.com.br/revista/768/uma-capa-resume-tudo-8663.html


Livre Opinião - Ideias em Debate

O blogue Livre Opinião – Ideias em Debate, foi criado com o objetivo de proporcionar ao leitor matérias ligadas à Cultura em seu sentido mais amplo – toda e qualquer manifestação humana. A cultura debatida com Livre Opinião.

Direitos Urbanos | Recife

Porque a cidade é feita pelas pessoas

oblogdaruiva

um olhar pessoal e vermelho sobre o mundo, o humano, a mulher, a medicina, a poesia e a loucura de se tornar quem se é.

Meu blog de política!

Análise Política

Concurso de Roteiros Rucker Vieira

10ª Edição do Concurso de Roteiros Rucker Vieira, com a temática "Africantos: Histórias e Memórias do Povo Afro-Brasileiro". Dois prêmios de 80 mil reais brutos, cada. Inscrições até 30 de maio de 2014.

Tudo Vai Bem

cinema e mais 2 ou 3 coisas por Fernando Oriente

Literatura Marxista

Blog informativo de lançamentos de livros da tradição marxista no Brasil e no mundo

Crime de Imprensa

Um retrato da mídia brasileira murdoquizada

ANTES QUE ELES CRESÇAM

Logo seu anjinho vira um moção. Leia agora.

Ojos abiertos, sin temor

Saliendo juntos de la caverna platónica

Cinemateca Paraense

Preservação do Patrimônio Audiovisual do Estado do Pará

MWIFF

Mumbai Women's International Film Festival

El Adversario Cubano

defendiendo la verdad

STOP BRASIL - Entretenimento, Real Time, Audiência da TV

Entretenimento e Jornalismo. Cobertura Real Time

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: